Arquivo mensal: outubro 2012

Master System – Shinobi – Análise / Guias / Detonado / Códigos

Análise:

Shinobi é um jogo estilo ação/plataforma lançado em 1987 para Arcade e 1988 para Master System e outros consoles. Diferente dos outros jogos de SMS como Altered Beast, ele pode ser considerado um jogo bem extenso, possuindo um total de 5 missões e dentro delas, 3 fases mais o chefe (exceto pela primeira missão que possui apenas 2 fases e o chefe). No geral o jogo é bem construido, desde os inimigos até as fases/missões, ele possui no total 7 armas e 6 magias, levando em conta os outros jogos da época, isso é um grande avanço em relação ao velho problema de poucas opções de armas ou magias. Os outros pontos serão discutidos logo abaixo.

Pontos Fortes: Gráficos, que podem ser considerados bons para o nível do console; Dificuldade, o jogo se torna bem difícil nas duas últimas missões e a jogabilidade, que é bem prática.

Pontos Fracos: Os chefes, eles poderiam ser um pouco mais difíceis, principalmente o Lobster da quarta missão, que é consideravelmente mais fácil que o da missão anterior e sua trilha sonora, que poderia ser um pouco mais refinada.

Nota: 8.5/10

Leia o resto deste post

As Piores Pesquisas que Acharam a EP !!!

Quando você digita uma pesquisa em sites como Google e clica em um site, sua busca fica salva nas estatísticas do local, normalmente a pessoa escreve algo logico, mas as vezes…

Eu quase diariamente olho as estaisticas da EP, as vezes rio com as pesquisas que vejo, um dia na faculdade com 2 amigos(Rafael e Justino) parei pra mostrar todos as buscas antigas, ri tanto que decidi mostrar algumas ao povo. Então ai vai uma pequena amostrado que está por vir:

Ou é Hack e tu não sabe, ou tu ta maluco.

Leia o resto deste post

GBA – Pokémon Fire Red & Leaf Green – Detonado parte 3

Parte 1 Parte 2 Parte 3

Bem antes de explicar por que pegar 60 pokémons, vou te parabenizar, e avisar que você ganha prêmios por cada dez pokémons adquiridos, você deve se lembrar de que a HM05 Flash é o presente para quem obteve 10 pokémons. Existem estagiários do professor Oak espalhados por Kanto. Vou dar a indicação de cada um:

20 Pokémons – No centro pokémon da Route 10 (entrada do Rock Tunnel), ele vai te dar o item Everstone que quando equipado em um pokémon impede que ele evolua

30 Pokémons – Na saída da Route 11 (saída de Vermillion) para a Route 12, no segundo andar, ele vai te dar o item Itemfinder que quando usado perto de um item oculto indica a posição dele (através de setas ou barulhos, e até mesmo estrelinhas).

40 Pokémons – Na saída de Celadon para a Ciclovia, no segundo andar. Você vai obter o item Amulet Coin, que dobra o dinheiro ganho na batalha quando equipado em um pokémon

50 Pokémons – Na entrada de Fucshia pela Route 15, no segundo andar. Você vai obter o item Exp. Share que quando equipado em um pokémon mesmo que ele não lute ele vai receber metade da exp obtida na luta (ótimo para treinar pokémons em leveis baixos).

60 Pokémons – É o próprio professor Oak, fale com ele para obter a National Dex e enfim poder continuar o jogo.

Leia o resto deste post

N64 / PS1 – Fighting Force (64) – Análise / Dicas / Cheat

Análise:

Lançado em 1997 para o PS1 com o nome de Fighting Force(no Japão Metal Fist), e dois anos depois para o Nintendo 64, sendo adicionaram o típico e repetitivo 64 ao final no nome, o jogo é um beat ‘em up  com basicamente o mesmo enredo da maioria, acabar com os planos de um chefão do crime na base da porrada, com boa parte das fases na rua. Gráfico BEM quadrados, acho que além do comum, sobre áudio e jogabilidade nem a muito que se falar, nem fedem nem cheiram.

A coisa que me revoltou no jogo foi a grande chatice que é derrotar 1 oponente em certas fazes, tudo bem que não precisa ser muito fácil, mas é necessário uma paciência fora do comum, em certos casos, eu prefiro jogos estilo Final Fight onde aparecem uns 100 oponentes por fase, no Fighting Force você sofre pra matar 25, vira um porre matar o mesmo cara sempre, pincipalmente pelos poucos tipos de inimigos, e golpes, que em sua grande maioria são um soco reto ou um chute alto, no SNES por exemplo você via vários acrobatas malucos, gigantes que pareciam paredes e uns gordões cuspindo fogo só pra dar exemplos, não digo que era pra copiarem isso, mas apenas variar mais nos oponentes que como já disse são bem parecidos. Outra coisa é a falta de padrão, você enfrenta o primeiro chefe na fase 2.2, sendo que ao todo são apenas 4 chefes, onde 2 deles você vence simplesmente jogando objetos.

Posso falar bem de poucas coisas, como em algumas fases poder escolher o caminho que quer seguir, ou seja a rota pare fechar o jogo muda, por outro lado isso encurtou o jogo, mas convenhamos você deve ficar feliz por ele ser curto. Outro ponto positivo e na versão de 64 onde se pode jogar com 4 jogadores ao mesmo tempo. Fora isso só os nomes dos inimigos que são verdadeiras piadas.

Ponto Forte: O início do jogo é razoavelmente bom, ele começa e irritar depois da metade.

Ponto Fraco: O jogo é chato, faltam inovações.

Nota: 4,3 / 10,0

*Nota se refere a versão 64, pois foi com ela que jogamos.

Leia o resto deste post

N64 – F-Zero X – Análise / Dicas / Segredos / Cheats

Análise:

Sequencia de F-Zero (SNES) e uma das poucas sequencias que não terminam com 64. Game feito em 1998 basicamente não há história, apenas uma corrida futurística (mesma coisa do SNES), mas nessa época eram raros os jogos de corrida com história, e realmente não precisavam. No jogo você corre a mais de 1.000Km/h, dando uma grande sensação de velocidade. F-Zero X realmente foi bem inovador, tanto em suas pistas quanto na jogabilidade, por exemplo com vários loops e tubos nas trajetórias dos circuitos, podendo dirigir de ponta cabeça ou praticamente decolar com os diversos saltos.

Fazendo uma breve comparação com o 1º jogo, muita coisa melhorou, não me refiro ao lógico como gráficos e áudio, mas sim ao estilo do game, por exemplo no SNES não havia sequer um campeonato, era apenas preciso acabar a corrida, no 64 já ha um sistema de pontuação, outra coisa é o número de pilotos que subiu de 4 para 30, também adicionaram personagens, assim criaram o ícone Captain Falcon o único personagem jogável de F-Zero nos Super Smash Bros já criados.

De ruim sobre o jogo posso falar na falta de criatividade em nomear as pistas, ao invés de pensar em um nome legal eles apenas colocaram um 2 ou 3 em nomes que já existiam, das 24 pistas acho que existem apenas 13 nomes base. Outra coisa sobre as pistas é a falta de um fundo, acho que serial legal em algumas delas aparecer alguma coisa, o máximo que se vê são prédios distantes.

Por fim é bom citar que em 2000 o jogo recebeu uma extensão usando o dispositivo 64DD a expansão foi nomeada de F-Zero X Expansion Kit, nele foram acrescidas 12 pistas, um editor de naves,  um criador de pistas entre outros, não consegui achar ele pra jogar, qualquer dia eu faço um artigo sobre a expansão.

Ponto Forte: Jogo é legal, não é muito repetitivo e desafiante e com bastante segredos a se desvendar, ou seja se você completar esse jogo você é um mestre em jogos de corrida.

Ponto Fraco: As naves, mesmo legais são MUITO retas, não vejo curva alguma, não sei como é a aerodinâmica do futuro, mas são todas poligonais, em alguns casos parecem caixas de fósforo pintadas.

Nota: 8,3 / 10,0

Leia o resto deste post

GBA – Pokémon Fire Red & Leaf Green – Detonado parte 2

Parte 1 Parte 2 Parte 3

Você tem dois caminhos para a cidade de Fucshia…

Caminho 1 (Route 16 – 17 – 18) Os pokémons da Route 16 já foram informados nesse detonado

Route 17

  35%
  30%
  25%
  5%
  5%

Route 18

  35%
  30%
15%
  15%
5%

Aconselho seriamente que pegue o Snorlax, só há dois desses no jogo. É bem simples e rápida a ciclovia, basta descer e depois descer pela direita, sua maior preocupação será com os treinadores motoqueiros que geralmente usam pokémons do tipo venenoso. A ciclovia atravessa duas rotas e a Route 18 é pequena, passando por ela já estará em Fucshia (no postinho de entrada de Fucshia pode encontrar uma garota que troca um Licktung (único no jogo) por um GolduckFR ou por um SlowbroLG)

Leia o resto deste post

Mega Drive – Revenge of Shinobi – Análise / Dicas / Cheats

The Revenge of Shinobi é um dos jogos mais fantásticos e mais difíceis que já joguei. O gênero ação e aventura é muito bem representado por este jogo, um presente da Sega para os amantes do tal gênero, como eu. Vamos começar pela sua história, ROS é o segundo jogo da franquia Shinobi, continuação de Shinobi, lançado no Sega Master System. No jogo você controla Joe Musashi um ninja determinado a resgatar sua namorada Naoko, das mãos de Zeed. Zeed a sequestrou em função do ocorrido no primeiro jogo (onde Joe detona a organização criminosa de Zeed). A história é fraquinha nesses tipos de jogos, e neste ela não muda é só um clichê, como de um filme de ação que precisa de uma sequência, esse é o meu ver da história, que claro não é o foco principal do jogo. 

Se ROS é focado a ser um jogo de ação, cumpre o papel com muito êxito, ação é o que não falta no jogo, você tem que acabar com diversos inimigos que dificultarão, e muito, seu caminho até Naoko. A AI do jogo é boa para a época e os inimigos apesar de sistemáticos dão trabalho, o que nos faz evitá-los na maioria das vezes, falando nisso os inimigos embora às vezes repetidos, foram uma boa sacada criativa. O jogo também é bem difícil, mesmo na dificuldade normal (se aumentar a dificuldade aumenta o número de inimigos) e você vai encarar muitos perrengues, porém essa dificuldade é quebrada caso você jogue o jogo muitas vezes, fazendo você ter mais do que o hábito, mas também a memória de onde os inimigos estão e de onde eles vão aparecer. A parte técnica do jogo é muito boa, o jogo aproveita os sons do Mega Drive com perfeição e as músicas das fases são animantes, combinam com a pegada de ação do jogo e te inspiram a jogar. Os gráficos são bons, mas tem suas falhas (como é possível ver no rosto de Naoko no final do game), porém não atrapalham tanto assim. Outro ponto a ressaltar no game são as fases, embora o formato de algumas lembre as outras, todas elas apresentam um desafio apropriado e bastante interessante, seja subir um prédio lotado de inimigos e lasers, ou passar por um ferro velho, os bosses então, fazem jus as fases difíceis e em alguns casos são realmente complicados de se achar um jeito para matá-los.

Para concluir, posso afirmar que aqueles jogadores que sentem falta de uma pegada Hardcore devem jogar esse jogo, caso não tenham jogado. Os que já jogaram devem jogar dinovo, já que o mundo dos games está fácil demais e eles vão lembrar um pouco o jogo. Olhando por alto me lembrei de Resident Evil, quando ficava sem kunais, me lembrava da falta de munição no RE… Um ótimo jogo da  Sega, que por fazer sucesso teve continuação e merece mais.

Nota: 7,6/10

Leia o resto deste post