Arquivo mensal: novembro 2012

N64 – Mario Party – Análise / Dicas / Segredos

De toda a valiosa franquia Mario, da Nintendo, Mario Party foi sem dúvidas um jogo inovador. O encanador bigodudo, além de dirigir karts e salvar o reino cogumelo, agora entrou no mundo dos jogos de tabuleiro e essa sem dúvidas foi uma grande sacada da Nintendo. Criado em 1998, Mario Party é um jogo que fornece uma diversão quase que ilimitada, o jogo não se perde em apenas um estilo, pois contem mais de 50 mini-games dentro do jogo, que embora uns sejam parecidos, são bastante variados entre eles. A história do jogo é simples: Mario está reunido com seus amigos Luigi, Yoshi, Wario, Peach e DK e eles estão discutindo, quem entre eles é um Superstar, cada um diz que é devido a sua qualidade, porém sem chegar a um consenso eles pedem para que Toad decida. Toad então diz que quem entrar no cano de Murshroom Village e voltar no topo vai ser o Superstar. A história é claro não é o foco principal do jogo, e sim a sua jogabilidade, completamente original e diversificada! Como todo jogo de tabuleiro tem regras as regras de Mario Party são simples. ganha quem adquirir mais estrelas, sendo que ao fim do “jogo” você ganha estrelas extras se tiver adquirido mais moedas que os outros competidores e se tiver pisado nos Happening Spaces mais vezes que seus oponentes. Além disso o jogo oferece 6 tabuleiros diferentes cada um com suas características e com um design peculiar, que vai desde uma selva a uma mesa cheia de guloseimas, que em combinação com as músicas dão um efeito de diversão e uma cara mais infantil ao jogo.

Como nem tudo são flores Mario Party é um jogo muito voltado para o multiplayer, não que o jogo seja ruim single player, mas é muito mais legal usar o jogo para sacanear um amigo seu, ou ver quem entre vocês é o Superstar. Além disso é mais fácil conseguir as coisas extras jogando no Multiplayer, já que as moedas e estrelas adquiridas pelos jogadores humanos são guardadas, e além disso nem vale a pena abrir os extras do jogo se você não tem com quem jogar. Além disso os gráficos me pareceram um pouco menos do que o console pode oferecer, eles não são tão quadrados quanto os dos outros jogos do console, mas não me agradaram… Outra jogada fora é que os personagens do jogo, que são tão carismáticos, em outros jogos da série, aqui não estão esbanjando seu carisma (sem contar Yoshi e DK, que não falam nada). É claro que cada um tem uma expressão, e uma frase, seja ela de glória ou de azar, e é até bom, porém também fica um pouco atrás do que eles realmente poderiam oferecer, poderia haver um clima de rivalidade maior, algo que só é visto mesmo na cena de introdução do jogo. E a última coisa a se comentar de lado ruim é o fator sorte, o jogo aqui não valoriza sua habilidade, mas sim sua sorte, se sua sorte mudar não adianta ter habilidade e ganhar todos os mini-games, pois você vai quebrar a cara no final, deixando o jogo um pouco injusto, embora não seja difícil.

Pessoalmente gosto muito deste jogo, passei minha infância sendo humilhado nele, eu quebrei meu Analog Stick jogando Mario Party. Até que um dia perdi minha fita no rio :/. Mario Party é sem dúvidas nenhuma proporciona uma diversão enorme para você e seus amigos se divertirem, seja de qualquer idade. Uma excelente pedida caso queira um Multiplayer diferente!

Nota: 8,1/10

Leia o resto deste post

N64 – Hydro Thunder – Análise / Dicas / Segredos

Análise:

Hydro Thunder é um dos muitos jogos de Arcade que passaram para o console, a primeira coisa que pensei quando vi a máquina no fliperama onde trabalho, mesmo sem saber nada sobre ela, foi: “-Esse jogo saiu pra 64”, o pior de tudo é que eu acertei, mas antes foi feita a versão do Dreamcast, pra ser mais preciso em 1999, no ano seguinte saiu para o PS1 e o 64, no play 1 por lógica o jogo é mais bem feito, tendo inclusive um modo carrer, por isso não vou juntar os 2 consoles nesse artigo. Outra coisa a ser mencionada é a sequencia recentemente criada (2010) chamada Hydro Thunder Huricane para o Xbox 360.

Logo ao olhar pro jogo você já vê as inovações, mesmo não sendo o primeiro jogo de corrida de lanchas, sei de um de SNES, mas não lembro o nome e provavelmente existem outros, a inovação a que me refiro é o estilo de jogo, você realmente parece estar na água não como alguns jogos onde parece que pintaram uma estrada de azul, ao pilotar você fica um pouco sujeito as leves ondas nas pistas, os cenários são espetaculares e as pistas bem criadas, os turbos ao longo do trajeto são desafiantes e ainda por cima existem atalhos muito bem escondido em que você vai ter que observar as mínimas pistas para o encontrar.

De ruim no jogo é a falta de modos, você só pode jogar multi-player (sendo que não vai abrir nenhum segredo do jogo), ou jogar sozinho nas poucas fases, ao todo apenas 13 resumindo não a muito o que fazer, basta ir lá vencer a corrida e pronto, não ha nem ao menos um campeonato.

Ponto Forte: Um jogo de corrida que não seja de carro já ganha pontos em inovações, no Hydro Thunder esse quesito é o melhor.

Ponto Fraco: A total má vontade de tirar o jogo do Arcade, não adicionaram quase nada, assim o jogo é mais um daqueles onde você joga 2 dias e enche o saco.

Nota: 7,6 / 10,0

Leia o resto deste post