Arquivo mensal: abril 2014

GBA – Final Fantasy VI Advance – Extras

3138-final-fantasy-vi-advance

Olá pessoal, aqui outra parte do detonado de FFVI, nessa parte estão apenas os extras colocados na versão de GBA. Se você está jogando no SNES ou no PS1 essa parte serve apenas como curiosidade, mas não se confunda, o resto do detonado é idêntico nessas  versões, apenas aqui existem mudanças.

Sobre as mudanças, em geral foram na nomenclatura de itens e armas, e isso está explicado nos databases. Alguns textos foram alterados para uma versão mais parecida com a japonesa, e foram inseridas imagem de rostos nas falas de alguns personagens da história. Temos o bestiário no PS1 e no GBA, sendo que eu não fiz, não estou fazendo e nem farei um artigo com o bestiário.

As mudanças que serão explicadas abaixo são apenas no World of Ruim, temos quatro Espers novos: Cactuar, Leviathan, Gilgamesh e Diabolos, com estes espers   magias novas são liberadas Flood, Valor e Gravija. As mudanças mais legais são a inclusão de  novas dungeons depois de se fechar o jogo: Dragons’ Den e Soul Shrine onde se encontram os monstros mais poderosos do jogo, o Kaiser Dragon e Omega Weapon. Abaixo o mapa do mundo.

Imagem tirade de outros sites, fique livre para usá-la, mas não modifique!

Imagem tirada de outro site, fique livre para usá-la, mas não modifique!

Leia o resto deste post

Anúncios

SNES – Captain Novolin – Análise / Dicas / Detonado / Cheats

CapaAnálise

Era uma vez uma empresa que produzia insulina, ela queria lançar um novo produto no mercado, e não tinha ideias convencionais de como fazer isso, eis então que tiveram uma ideia não convencional, criar um jogo para promover sua marca. Assim nasceu o Captain Novolin, super herói com diabetes e dedica sua vida a lutar contra doces e outras comidas açucaradas do mal, com sua capacidade de pular muito alto, dar cambalhota e receber três porradas antes de morrer ele luta contra bolos, biscoitos, sorvetes e balas. Avante Novolin, faça do mundo um lugar mais saudável!!!

Brincadeiras a parte a história do jogo é essa, a empresa de insulina Novolin queria um jogo super herói para aumentar suas vendas é lucrar em cima de criancinhas diabéticas, então criaram um “mascote” e um jogo com sub-objetivo de game educativo,  o que aconteceu com a marca de insulina? a estratégia deu certo? eles ainda estão no mercado? Não sei, e nem quero saber! O importante está aqui, temos um jogo completamente diferente e bizarro que será analisado, só por esse pouco que você já viu já deve estar desconfiado do jogo, e é bom mesmo que fique. Primeiro de tudo, por que raios o super herói não tem um poder descente??!! Ele faz o mesmo, ou até menos do que o Super Mario, e depois você para para ler a história e descobre que os doces que ele enfrenta SÃO ALIENÍGENAS, e o pior o chefe deles é um humano gordo e sedentário!!! Ok, ok… Vamos tentar deixar isso de lado, afinal é um jogo para crianças, mas as dúvidas não param de vir. Será que não existe policia nenhuma no mundo, os doces só pulam praticamente, um PM armado poderia abater um exercito deles! Ou então, será que ninguém tentou come-los? Mais pra mim o pior é isso no jogo, o prefeito foi sequestrado e tem um estoque de 48 horas de insulina, Ok, mas por que o Captain Novolin DECIDIU IR A PÉ ATÉ LÁ??? Ele não precisa ser um Batman da vida, mas pelo menos pegar um avião da classe econômica, ou pedir para cidade, qualquer coisa, mas ir a pé(ele usa um pouco uma lancha, mas isso não vem ao caso)? Você ainda pode achar que tudo isso pode ser relevado pelo jogo ser infantil, sem problemas eu  respeito sua opinião, mas eu acho que chega um ponto onde não dá e você percebe que a história do jogo foi completamente abandonada, como se tivesse sido criada por um executivo nos 15 minutos que ele estava no banheiro “fazendo chocolate“, daí seu problema com doces.

Agora sem brincadeiras, lendo análises de outras fontes, em alguns idiomas eu percebo uma certa “cegueira” dos gamers em relação ao jogo, como você pode ver a história é estúpida, uma das piores que já vi, mas não deixa de ser engraçado, se você não quiser jogar por conta disso, faz bem, se não liga é quer jogar, faz melhor. O problema em questão é que muitos criticam coisas boas no jogo só por que ele é idiota, como os gráficos, estão de muito bom tamanho, o áudio bem melhor que a maioria dos jogos da geração e mesmo assim eu achei sites que deram nota zero para esses aspectos, Ok, o jogo é ruim, mas ao criticarem não sejam tão cegos, ainda existem aspectos positivos aqui, como a própria jogabilidade que é interessante, o ambiente do jogo estraga tudo, mas pra um jogo infantil educativo está de bom tamanho. Alguns desafios únicos são encontrados aqui, como equilibrar o nível da sua glicose no sangue, não necessariamente que isso seja algo bom no jogo, chega até a ser chato, mas é único kkk. Como o jogo é educativo, várias vezes você terá que responder perguntas sobre diabetes, isso não substitui seu médico, e nem foi feito para substituir, é um jogo educativo de plataforma, apenas isso, quem sabe você aprenda alguma coisa com ele, Captain Novolin faz bem esse papel, ensina o básico para uma criança, até eu aprendi com o jogo, mesmo já tendo esquecido tudo, quem sabe você não aprende! Mesmo indo esquecer tudo também.

Agora vamos falar do que interessa, mas aspectos ruim no jogo, além de tudo que já foi citado, ele é muito curto, muito mesmo, 15 minutos um jogador mediano termina facilmente(com o conhecimento necessário). Inimigos repetitivos e poucos cenários. Além da chatice de toda fase ter que ficar medindo a glicose e tomando injeções. Resumindo se tiver algo melhor não jogue, mas pense pelo lado bom, acaba rápido então não da muito tempo para você se enjoar. Captain Novolin é uma pedida para dias chuvosos onde sua net caiu e seu celular está sem bateria e já que tem que esperar, que seja jogando, mas não digo nada mais do que isso.

Ponto Forte: Mesmo sendo uma tragédia de game, ainda existem alguns pontos citados acima, então o forte do jogo é ele não ser tão ruim.

Ponto Fraco: Sério… Os inimigos são doces, e desenhados de tal forma que fiquem parecidos com quarentões desempregados, isso já é o suficiente para procurar outro game.

Nota: 5,2 

Leia o resto deste post

PS1 – Legend of Legaia – Análise / Detonado parte 1

Legaia coverEra 1998, ano de Copa do Mundo na França, ano em que a Microsoft lançava o Windows 98, a Sega descontinuava o Sega Saturn, ano em que eu tinha apenas 4 anos e não fazia ideia do que era um Playstation, ou o que era um RPG. Mas nesse ano foi lançado um excelente jogo de RPG, pela Contrail, empresa que desenvolveu Wild Arms 3 e distribuiu Allundra 2. O nome do jogo: Legend of Legaia, ou Legaia Densetsu no original. O jogo conta a história de um mundo fantasioso chamado de Legaia, onde os humanos eram mais fracos porém tinham a sabedoria de deus, vendo que os humanos iam padecer assim, Deus criou as Serus... Desde que a história existe os humanos conviviam com os Serus, que longe dos humanos eram meros pedaços de pedra, mas quando os dois se combinavam, os Serus davam poderes inimagináveis aos humanos. Porém essa era teve um fim, uma névoa maligna de repente apareceu e então os Serus que obedeciam os humanos passaram a atacá-los e os humanos que tinham Serus em seus corpos viraram feras perigosas. As pessoas ficaram apavoradas e começaram a habitar locais remotos visando fugir da perigosa névoa. Em um desses lugares remotos conhecemos o protagonista Vahn, ou seja lá como você o tenha nomeado. E junto com Noa e Gala outros habitantes dos lugares remotos unidos pelos poderes das Ra-Serus, partem ao redor do mundo tentando reviver as Genesis Tree e destruir o mal que a névoa causa ao mundo.

Se analisarmos o enredo do jogo superficialmente assim, poderíamos concluir que ela é bem simples, porém o que mais tem profundidade aqui é a história que é praticamente perfeita e te prende ao jogo, você realmente vai querer saber como a névoa surgiu, e qual a relação dela com as Genesis Tree, ou o arco de rivalidade de Songi e Gala, enfim são muitas tramas no jogo, com uma história inicial tão simples. Outra coisa que da profundidade ao game é que Vahn responde o que você quiser que ele responda, aumentando assim a interação entre o jogador e os personagens. Falando em interação os personagens principais dão um show a parte na interação, toda hora eles param para dialogar e debater propiciando momentos hilários por parte de Noa e sua ingenuidade. Ainda no fator interação entramos no sistema de batalha, totalmente inovador e chamativo, onde você usa os membros dos personagens para bater nos inimigos em cima, em baixo, ou com os braços, combinando assim esses movimentos para descobrir as Arts que também podem ser combinadas, formando assim várias formas criativas de se detonar os inimigos. Além disso o fator replay do jogo é sensacional, dada a sua dificuldade em encontrar os itens ocultos do jogo. Os gráficos são perfeitos para a época super detalhados, quando você equipa uma arma ou uma armadura ela aparece equipada no seu personagem, claro eles eram um pouco quadradinhos, mas para a época está bom demais. A sonorização também não fica para trás, com músicas suaves e tranquilas nos mapas e músicas aceleradas e emotivas nas batalhas. Não fazendo você querer botar no mute em nenhum momento o jogo.

Hora de falar dos problemas de Legend of Legaia, que são poucos, mas são muito chatos. Comecemos pelas batalhas aleatórias, putz… O jogo faz questão de te enfiar em uma batalha em um critério chocho de número de passos o que é irritante, já que o seu MP costuma acabar rápido e itens não são tão efetivos curando, a menos que você estoque muito, o que também é difícil já que a grana que você recebe nas batalhas é pouca! Falando em pouco, pouca é a experiência que você recebe tendo que ficar batalhando horas a fio para conseguir chegar em um nível decente e enfrentar um chefe de igual para igual. Tenho um amigo que passou sufocos e sufocos com este game, tamanha a sua dificuldade para os iniciantes em jogos de RPG. É claro a dificuldade não é um problema, mas a XP e a grana, com as batalhas aleatórias são um problema chato que para um jogo inovador, encontrar uma solução para isso era mais do que obrigação dos programadores! Obter magias no jogo é outro exercício de paciência, é algo até inovador, já que as magias são invocações; porém é muito irritante, lutar, lutar e não adquirir a mágia. Além de que três é um número bem escasso de personagens, tudo bem que eles cumprem bem os seus papéis no time e ainda tem alguns poucos coadjuvantes. Só que mais alguns personagens (mais um ou dois) estariam de bom tamanho, até porque existem outros elementos de Ra-Serus que poderiam ser usados!

Por fim, é sempre bom ressaltar que este jogo deve estar na biblioteca de todo jogador de RPG, por ter um sistema de batalha praticamente único e uma história complemente atraente e dinâmica! Legend of Legaia sempre me marcou por ser um jogo que eu nunca conseguia fechar dada a dificuldade, ou seja, é um prato cheio para qualquer jogador que mire detonar jogos de RPGs difíceis. Quando tiverem a oportunidade não a percam e joguem este clássico!

Nota: 9,1 / 10

Leia o resto deste post

GBA / DS – Pokémon Mystery Dungeon: Red Rescue Team & Blue Rescue Team – Detonado Parte 3

Sem título Amigo, se chegou até aqui você é um guerreiro, o jogo é quase infinito com essas dungeons de 99 andares, mas claro faltam 7 dungeons, sendo 5 delas de 99 andares, já  que essa é a última parte do detonado vou mudar uma coisa, eu COLOCAREI IMAGENS APENAS DE POKÉMONS RECRUTÁVEIS, se não as tabelas vão ficar muito grandes e o único prejudicado será o leitor, os pokémons inrecrutáveis eu colocarei apenas o nome e os andares que aparecem, acredite isso vai te ajudar muito a visualizar o post, serão vistas aqui as dungeons.  Outro destaque é que o jogo arrumou outra forma de te torturar com dungeons onde seu nível volta temporariamente ao 1.

Partes:

Detonado: Parte 1 Parte 2 Parte 3
Database: Dungeons Paralelas Wonder Mail Guia de Captura

Leia o resto deste post