Arquivos do Blog

Eternal History – Gunstar Heroes – História Completa

História completa de Gunstar Heroes, clássico para o Mega Drive, mesmo com o enredo bastante simples o jogo não explica todos os detalhes, esse vídeo ajuda com o esclarecimento dos componentes da história, esperamos que gostem.

Nova e primeira série da Eternal Players no youtube, se possível nos apoie para que mais conteúdo possa vir.

Se procura o detonado do Jogo de uma olhada aqui: https://eternalplayers.wordpress.com/2013/03/10/mega-drive-gunstar-heroes-analise-detonado-dicas-segredos/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCr-80LooItrzEe4WlkNzJCw
Blog: https://www.eternalplayers.wordpress.com
Facebook: https://www.facebook.com/BlogEternalPlayers/

Leia o resto deste post

SNES – Sunset Riders – Análise / Detonado / Dicas / Segredos / Cheats

Sunsetriders_CapaAnálise:

Algumas vezes ouvi falar vagamente de Sunset Riders, aos poucos minha curiosidade foi aumentando, semana passada quando fiz o artigo do Gunstar Herois deu uma vontade de jogar outro jogo de Run and Gun, ou como eu gosto de chamar, Tiro, pelo pouco que ouvi falar esperava que fosse quase impossível e muito bom, em partes isso foi confirmado, eu sempre me considerei um péssimo jogador e consegui fechar o jogo, na dificuldade minima, com o máximo de vidas e no limite, mas o importante é vencer kkk, quero dizer que a dificuldade foi bem moldada, sendo que ela pode vir do extremo impossível ao muito difícil, coisa que é ótima, pois isso possibilita os piores jogadores(tipo eu) a completar o jogo, e ainda serve como desafio para um super viciado, basta editar a dificuldade.

Sunset Riders como muitos outros jogos veio do Arcade, depois foram feitas as versões em consoles, nesse caso Mega Drive e SNES, a versão do Mega a meu ver é bem inferior, modificaram demais o jogo, por isso essa análise se refere apenas a versão de SNES que também modificou o jogo, mas foram coisas leves, a dinâmica é a mesma, ao contrário da outra versão. Uma das coisas que me deixou triste foi não haver nenhuma continuação, remake ou qualquer coisa, não faria mal uma ou outra sequencia, ainda mais por que a Konami é uma empresa grande.

A história não é muito relevante, mas também não precisa ser. Quatro caçadores de recompensas atravessam o Oeste americano caçando os criminosos procurados pelas suas recompensas  depois da quarta fase o jogo muda um pouco e seu objetivo vira caçar um criminoso com uma alta recompensa e seus três ajudantes. Como dito não é nada inovador nem brilhante, mas esses tipos de jogos não necessitam de um enredo elaborado, o mais importante é a ação, coisa que não deixa a desejar nem um pouco.

Sobre a parte técnica  a jogabilidade está muito boa, os principais objetivos(atirar e desviar) estão muito bons, com exceção a certos ângulos onde não dá para fixar o tiro sem andar, mas não vejo nenhuma solução simples para isso, então quase que absolvo isso. O áudio não é brilhante, as músicas até gosto de algumas(as que dão o clima do velho oeste), outras são chatas e fracas. o problema é o gemido ridículo que os inimigos fazem ao morrer, além de outros sons ruins. Os gráficos eu até gosto, mas a repetição dos inimigos atrapalha, o fundo da fase são até repetitivos, mas as fases são tão curtas que isso fica quase inotável. Algo que eu acho engraçado é os personagens ficarem tão coloridos, lógico, isso foi feito pra deixar o jogo mais alegre, mas convenhamos, sacanearam o Cormano kkk.

Agora só falta falar das alterações do Arcade para o SNES, para deixar tudo politicamente correto, eles retiraram os pequenos elementos de alcoolismo  colocaram mais roupas nas mulheres, retiraram todas as mulheres que eram inimigas, na 6ª fase você enfrentava apenas índios  na do SNES apenas o chefe final é um índio  Todas as alterações ao menos tem a desculpa de esconder elementos como violência o mulher e agressão indígena  mesmo não concordando em alterar isso ao menos tinham um motivo, mas agora vou citar as alterações inúteis que fizeram: Trocaram o nome de alguns chefes, o chefe da 5º fase era um amigo de Cormano, isso fica implícito no Arcade quando ele dá o chapéu ao herói, mas no SNES foi retirado, outras coisas foram trocas nos fundos das fases e encurtamento delas, diminuição da abertura e tiraram uma cena legal do final do jogo, onde uma rosa(tema do chefe final) se parte quando ele morre. Outra coisa é a diminuição de jogadores, de 4 para 2, mas aí não tinha mesmo o que fazer, ainda existem outros detalhes, mas já falei bastante.

Resumindo, o jogo é muito bom e dificuldade como marca, existem várias qualidades e alguns defeitos. O maior problema forma as alterações do SNES, mas foram pequenos detalhes, se você tiver como jogar a versão do Arcade(ou pelo menos ver) vai ver como seria muito melhor manter o original, mas essas modificações são comuns então não da pra reclamar muito…

Ponto Forte: A mistura de jogabilidade com dificuldade deixou o jogo incrível, você vai ter que morrer muito para achar as fraquezas dos chefes e das fases de cavalo.

Ponto Fraco: Poderia falar das modificações, mas vou escolher algo sobre o jogo. Acho que a repetição dos inimigos é o pior do jogo, são muito poucos e entre os poucos alguns são o mesmo inimigo com cores diferentes, igual os personagens que 3 deles são praticamente iguais(devem ser trigêminos).

Nota: 8,7 / 10,0

Leia o resto deste post

Mega Drive – Gunstar Heroes – Análise / Detonado / Dicas / Segredos

Gunstar Heroes cover art japanese

Quando falamos do subgênero Run and Gun, que deriva do Shoot’em Up, logo lembramos de jogos como Sunset Riders,  Metal Slug e Contra.  Jogos assim certamente não ofuscam o sucesso de Gunstar Heroes, jogo lançado em 1993 e desenvolvido pela Treasure, sendo também o primeiro título da desenvolvedora, que também conta com Wario World em seus trabalhos. O jogo tem como principal característica a intensidade, a tela do jogo é uma verdadeira suruba de tanta ação, inimigos explodindo em um canto, tiros disparados de um lado, do outro, uma verdadeira guerra. Uma guerra típica daqueles filmes de ação onde apenas um homem, detona um exército inteiro… O enredo do jogo tem duas versões, a japonesa que é considerada a canônica e a americana que eu não sei de onde surgiu. Eu prefiro contar o enredo japonês, assim quem pretende jogar Gunstar Super Heroes para Game Boy Advanced vai poder ter uma noção do que está se passando. O enredo de Gunstar Heroes conta que uma organização maligna criou o deus da destruição, Golden Silver, para causar o caos destruindo várias cidades na Terra. Os Gunstar que são: Red, Blue, Green e Yellow, foram encarar o vilão, e o derrotaram. Para ele não poder causar mais nenhum problema, Golden Silver, foi selado na lua e as quatro jóias que lhe davam energia foram retiradas e propriamente guardadas pelos Gunstar. Os Gunstar cansados com a luta que tiveram contra Golden Silver, entraram em um descanso, esperando que uma nova civilização reconstruísse a Terra. O tempo se passou e uma nova civilização reconstruiu a Terra. Uma lenda dizia que um Deus selado na lua levaria o povo até a Utopia. Grey, o imperador de um regime ditatorial na Terra, chamado de império, iludido pela lenda corre atrás das jóias que alimentam o poder de Golden Silver. Por uma sorte do destino o professor Brown, encontra as capsulas onde os Gunstar estavam em animação suspensa e os ressuscita, porém Green não tem as memórias e acaba por trair os Gunstar… Eles então decidem então não deixar que Golden Silver seja renascido para outra catástrofe ocorrer. Claro uma história cheia dos devidos clichês, mas que não deixa de ser boa e também não compromete a ação do jogo. Os gráficos em Gunstar Heroes são muito bons como é de costume no Mega Drive, a jogabilidade é outro ponto forte do jogo, ela é dinâmica e cheia de ação e só peca nos chefes, já que alguns você só tem que ficar parado segurando o botão e olhando para a tela. Além disso o jogo é muito divertido, tanto no multiplayer como jogando sozinho, sua dificuldade inicial é outro aperitivo, mas com o tempo como em qualquer outro jogo ela vai sendo facilitada. O jogo tem várias cenas de humor sendo um jogo muito bem estruturado e montado e dando também uma personalidade aos vilões que são engraçados e muito carismáticos. Uma coisa que deve ser notada é a homenagem aos jogos de naves feitas no Stage 6, onde você controla uma nave, o que é muito impressionante, um jogo mudar de gênero em uma fase ainda mais fazendo uma homenagem? Nada melhor.

Vocês podem achar que sou muito chato com sons, e sou mesmo, o Mega Drive é um console muito lembrado por seus títulos que tem trilhas sonoras maravilhosas, em Gunstar Heroes as músicas são divertidas, mas não são as mais memoráveis do console. Outro ponto fraco é a facilidade do jogo nas fases finais e depois de descobrir certas manhas, como citei lá em cima, a dificuldade dele é superficial. Até porque os inimigos comuns não são prejudiciais e este jogo diferente da grande maioria dos Run and Gun tem vida (nos outros você toma um tiro e morre) e isso é bom, mas quem gosta de um jogo mais difícil e do gênero não vai gostar muito disso! Outra coisa que podemos notar de ruim em Gunstar Heroes é a inutilidade do Fixed Shot, que poderia ser substituído por outro modo, não sei se as pessoas que jogam no Fixed jogam pela dificuldade, mas é um tipo completamente dispensável que poderia ser substituído por outra coisa mais legal. O jogo pode até inovar, mas também sofre por ser um pouco repetitivo demais, enjoando um pouco, mas claro que não eternamente.

Para finalizar em Gunstar Heroes vemos coisas que já vimos em Contra, coisas que só vemos em Gunstar Heros e coisas que foram copiadas para Metal Slug. O jogo é muito bom e fica melhor jogando com um amigo, claro que ele tem seus defeitos, mas eles não comprometem a sua diversão e o melhor a sua paciência, já que eu me estresso com esses Run and Gun e é sem dúvidas o melhor Run and Gun do Mega Drive. Aposte em Gunstar Heroes se você quer um amigo e um jogo cheio de emoções onde a tela é uma verdadeira cena de ação!

Nota: 8,6 / 10

Leia o resto deste post