Arquivo mensal: dezembro 2013

SNES – The Legend of Zelda: A Link to the Past – Database: Heart Pieces

Piece of Hearts

Detonado: Parte 1 Parte 2 Parte 3
Database: Inventário Heart Pieces Bestiário

Outra das principais sidequests da série Zelda, e você já deve conhecer. Caso seja novato neste universo, os Pieces of Hearts formam os Heart Containner que são o “HP” de Link. Para achá-los você tem que rachar um pouco o crânio e usar seus itens para achar as passagens secretas e encontrar essas Pieces of Hearts para poder tornar o jogo mais fácil. No total são 24 Pieces of Heart espalhadas por Hyrule, tanto no Light, quanto no Dark World. Está com dúvidas sobre os lugares, consulte o nosso mapa! e mais importante: CLIQUE EM TODAS AS IMAGENS PARA AMPLIÁ-LAS.

Leia o resto deste post

Anúncios

SNES – The Legend of Zelda: A Link to the Past – Detonado parte 2

Dark World

Detonado: Parte 1
Parte 2 Parte 3
Database: Inventário Heart Pieces Bestiário

Zelda 21Pyramid
Ao chegar Sahasrahla vai comunicar telepáticamente Link, sobre onde ele está. O Dark World um dia foi chamado de Golden Land, mas o poder do mal tornou um mundo fantástico em um lugar sombrio. Ao capturar Zelda, o bruxo abriu um portal entre o Dark World e o Light World através de Hyrule Castle. O objetivo de Link agora é resgatar as sete donzelas que Agahnim enviou para o Dark World. Como elas tem o sangue dos sábios certamente poderão ajudar Link. Desça a pirâmide e siga pelo único caminho acessível que vai te levar para o leste.

Leia o resto deste post

SNES – The Legend of Zelda: A Link to the Past – Database: Inventário

Inventário

Detonado: Parte 1 Parte 2 Parte 3
Database: Inventário Heart Pieces Bestiário

Um dos principais elementos da série Zelda é a vasta gama de armas, itens, acessórios, parafernálias e bugigangas que Link pode utilizar. Um ponto forte deste jogo é que elas estão categorizadas, com o botão Y, estão os itens. Com o botão A, estão os acessórios, o botão B usa a espada. Não poderia faltar um guia de como completar seu inventário no meu detonado, então aproveite e caso não esteja conseguindo algo basta deixar sua dúvida. Leia o resto deste post

SNES – The Legend of Zelda: A Link to the Past – Análise / Detonado parte 1

Zelda a link to the past capaOs primórdios da série Zelda não são um segredo para ninguém, a série começou no NES e teve dois títulos para o primeiro console da Nintendo. Com quatro anos de hiato para seu antecessor, a série Zelda, chegava ao SNES, em 1991, com The Legend of Zelda: A Link to the Past, cujo subtítulo original é Triforce of the Gods. O jogo chegou chegando, a coisa mais sábia que fizeram foi retornar a câmera para a visão aérea que tinha sido perdida em Zelda II: Adventure of Link. Isso com certeza te da uma perspectiva maior, e uma sensação melhor de liberdade, é claro que diminui a realidade e a dificuldade, porém não sou do tipo que procura essas coisas em um game. Graficamente o jogo é impecável com cores vivas e cenários muito empolgantes, os ambientes são sensacionais. A história deste Zelda fala de um Link do passado, diferente ao do Link dos dois primeiros Zeldas, realçando o fato de que Link e Zelda são personagens que reencarnam muitas e muitas vezes para salvar Hyrule. Continuando com a história, Link acorda uma noite com uma mensagem telepática da princesa Zelda, que foi capturada pelo bruxo Agahnim, o tal bruxo usurpou o trono de Hyrule e capturou outras donzelas, planejando romper a barreira criada pelos sábios para o Dark World, o mundo onde está selado o senhor das trevas, o já conhecido Ganon, Link deve pegar a tradicional Master Sword e impedir os planos maléficos do bruxo. A história é claro não é o primor deste jogo, ela é bem rasinha, e para a época ela é satisfatória, já que não precisa ser o ponto forte de um game magnifico como este, mas então, o que vai fazer uma pessoa virar a cabeça jogando Zelda?

Com certeza o melhor fator e mais impressionante neste Zelda é a transição entre os dois mundos, o que torna a exploração e o seu modo de jogar muito mais interessantes. Um lugar no Dark World tem um correspondente próprio no Light World, um exemplo: no Dark World um lugar está acessível, porém no Light World ele está inacessível, usando um item você pode ir do Dark para o Light World e acessar tal lugar descobrindo segredos, e vice e versa. A exploração no jogo é sensacional, além das tradicionais Pieces of Heart, você tem uma vastidão de itens a serem pegos, alguns úteis, outros não. As dungeons também são coisas a serem destacadas, elas são grandes e oferecem desafios que não exigem muita inteligência, mas sim MUITA paciência e senso de navegação, por isso é bom SEMPRE estar atento aos mapas das dungeons. A fórmula clássica de Zelda também é forte já que ela pode ser manjada, mas não é tão simples assim, passar pelas dungeons e pegar seu maior tesouro, não te enjoa a jogar, pelo contrário ir para a próxima dungeon e enfrentar o próximo desafio é realmente empolgante!

Mas nem tudo são flores, em Link to the Past. As músicas repetidas, o que mostra um certo descaso, em não usar uma OST por dungeon são uma coisa que irritam no jogo, fora a música de Hyrule Field, tanto no Light quando no Dark World que é gostosinha as outras são muito chatinhas e é melhor jogar no mudo, outra coisa horrenda neste Zelda são os chefes, poucos deles oferecem um real desafio depois de uma dungeon turbulenta tudo que eu esperava era um confronto com um chefe que valesse a dungeon e não é bem assim que as coisas acontecem, alguns chefes são muito nada a ver e não são legais. A história e alguns itens também são coisas bobas, que contam contra o jogo.

O fato é, se você é fã de Zelda, não pode deixar de jogar este jogo, eu já o fechei umas quatro vezes, a questão é que mesmo que você já saiba de tudo que o jogo tem para oferecer, o jogo vai ser como foi a primeira vez: fantástico, magnifico, empolgante. The Legend of Zelda: A Link to the Past é um jogo obrigatório na sua biblioteca de jogos, seja no PC, ou em mídia física, pois jogá-lo é uma experiência que vale a pena ser vivida várias e várias vezes.

Nota: 9,4 /10 Leia o resto deste post